E aí, bixo!

Estou feliz. Muito feliz!

Ontem postei aqui que ia fazer vestibular, à noite. Menos de duas horas depois, me ligaram da faculdade, não precisaria fazer a prova. Razão? Passei com a nota do ENEM. Difícil foi acreditar.

Pelo menos pra alguma coisa valeu as boas notas enquanto estudava.

Tá vendo, Marcellus, não passei em primeiro lugar. Aliás, nem precisei prestar vestibular… chato! (A relação abaixo está em ordem alfabética e os nomes foram removidos para evitar maiores problemas)

Anúncios

Eu sou uma viciada

Acabo de descobrir que sou uma viciada. Não em drogas, mas em algo muito similar: a internet. Estou há uma semana sem acesso praticamente nenhum e estou ficando maluca. Já passei pela fase da abstinência, agora estou na adaptação. Mas eu não quero! Quero o meu vício de volta!

Mas a partir de hoje eu retomo todas as atividades, ou parte delas. Ainda não terminei de ler todos os emails da empresa, e estou bem longe de conseguir logar nas minhas caixas particulares. RSS? Coitados, devem ter passados dos 1000 posts e eu não darei conta nem em 2 meses.

Ah! Ainda tem outra notícia. Se Deus quiser, em 2 dias viro bixete. Isso mesmo, depois de tanta espera vou fazer vestibular, hoje. Não estudei nem um minuto. Depois de esquecer o primeiro nem me dei o trabalho.

A lista de livros que quero ler está aumentando a cada dia. Só não sei se vai dar tempo de terminá-los. Pelo menos comprá-los eu quero. “Anjos e Demônios”, que estava no blog até hoje, retirei temporariamente. Meu namorado fez um favor de perdê-lo. Alguém ganhou um livro, pelo menos uma boa ação do dia.

Quero trocar o nome do blog, há algum tempo descobri um outro com o mesmo nome. Mesmo não sendo em português, não quero nada repetido, para evitar maiores transtornos. Quero criar algo original, mas as idéias me escapam. Então, estou aberta a sugestões.

Bom, já que os assuntos findaram, e a lista de posts que eu estou preparando ainda não ficou pronta, fico por aqui.

Créditos da imagem: Não sei. Se alguém souber me avise.

Compreendendo o incompreensível

Todo ser humano passa por fases. A maravilhosa infância, época em que não precisamos nos preocupar com nada, afinal temos pais para isso. Depois a terrível adolescência, quando nos rebelamos contra tudo e contra todos, principalmente contra nossos pais, querendo nos proteger. Queremos ter nossa identidade, ser diferentes, tomar nossas próprias decisões. Ainda bem que essa fase passa logo (para alguns nem tanto).

Então entramos na fase adulta, nada mais parece ser como antes. Um bife com batatas fritas já não tem o mesmo gosto. Aquele primo que você adorava brincar virou um mala. Nossos desejos ficam mais caros e não entendemos por que é tão difícil administrar tempo e dinheiro. Atingimos a tão sonhada “liberdade” que desejamos com tanta vontade na adolescência, mas ela também não parece ser tão emocionante quanto achávamos.

Compromissos, responsabilidades, uma inundação de problemas (de verdade) tomam conta dos nossos dias. Mas é exatamente nesta fase que começamos a realmente entender tudo que nossos pais fizeram e ainda fazem por nós. Ainda mais quando nos tornamos como eles.

Hoje fui pega de surpresa ao ouvir uma música. De repente, sem mais nem menos comecei a prestar atenção na letra e me dei conta de que parecia que eu nunca tinha ouvido, não com a mesma interpretação. Leia abaixo, e se você for um pai ou mãe, tente se lembrar da sua adolescência .

Quando Você Voltar
Legião Urbana
Composição: Renato Russo

“Vai, se você precisa ir
Não quero mais brigar esta noite
Nossas acusações infantis
E palavras mordazes que machucam tanto
Não vão levar a nada, como sempre
Vai, clareia um pouco a cabeça
Já que você não quer conversar.
Já brigamos tanto
Mais não vale a pena
Vou ficar aqui, com um bom livro ou com a TV
Sei que existe alguma coisa incomodando você
Meu amor, cuidado na estrada
E quando você voltar
Tranque o portão
Feche as janelas
Apague a luz
e saiba que te amo…”

Hoje eu sei o que é ser mãe, compreendo todas as preocupações que um dia minha mãe também teve. E por algum motivo sinto que nossa relação está muito melhor.

Joguinhos inúteis, mas legais – parte I

Não sou uma apaixonada por jogos, depois de uma cópia baratex do Atari, onde joguei Enduro, Seaquest, Frogger, Pac Man, etc, tive (ou melhor, tivemos, eu e minhas irmãs) um Super Nintendo. Isso foi há…… já nem sei mais quanto tempo. Eu gostava, sempre achei os jogos da Nintendo mais legais, menos violentos, feitos para crianças. Os meus preferidos eram Super Mario All Stars, Donkey Kong e um outro joguinho que eu nem sei se alguém mais além de mim já jogou, o Wario.

Com o tempo esses jogos perdem a graça, o interesse por video game também. Meu primeiro computador, um Compaq Presario 180 (tenho até hoje), se ocupou de preencher essa lacuna. E nada mais interessante que passar a jogar no meu primeiro PC. Mas o máximo que me aventurava era Paciência, Freecell e Cia. ltda, jogos no estilo Puzzle.

Em algumas épocas até apareciam alguns jogos interessantes, ainda não tinha internet em casa, muito menos gravador de cd, então era no disquete mesmo. Um dos primeiros que me recordo foi o Where in the World is Carmen Sandiego, que pode ser baixado aqui. É só seguir as pistas para achá-la. A princípio desenvolvido para o Apple II em meados de 1980.

Claro que eu não tinha um Apple II, nem sou dessa época, mas eu joguei uma versão para PC, em português inclusive.

Hoje, com a extinção de alguns consoles e/ou computadores, e com a criação de emuladores para estes, ficou muito mais fácil ter acesso a esses jogos. E convenhamos, eram jogos muito mais legais do que os que temos atualmente.

Então, deixe um comentário dizendo qual foi o primeiro jogo que marcou a sua infância.

Você confia em SAC?

Quem se lembra do problema que tive com a Americanas.com neste Natal? Pois é, passados alguns dias que eu registrei uma reclamação no site, um atendente entrou em contato comigo por telefone para saber mais detalhes do que tinha ocorrido. Tarde demais, já era véspera de Natal e alguns presentes já tinham sido entregues. Então apenas registrei a reclamação e disse que não queria trocar nenhum produto.

Eis que hoje recebo um email de outro atendente com os seguintes dizeres:

“Ref. Pedido: {XXXXXXXX}

Em atenção a sua solicitação de troca pudemos constatar que o item DO A AO Z encontra-se indisponível para realizamos a troca imediata.

Diante deste contexto, você pode escolher por uma das opções abaixo para que possamos dar continuidade ao processo: […]”

Esse povo é lerdo ou o quê? Achei que este assunto tinha acabado, que no máximo enviariam um email de desculpas e dizendo que avaliariam o meu caso para melhorar o processo, blablablabla….

Agora não sei se fico mais decepcionada com a loja ou comigo mesma, que insiste em comprar nesses lugares.

Update: O email do SAC é um tanto quanto engraçado – sac_arrependimento@americanas.com

Feliz 2008!

Virada de ano é hora de fazer balanço da nossa vida, de programar o ano seguite e renovar as promessas feitas anteriormente. Para 2007 eu tinha prometido criar e manter o meu blog. Pois bem, depois de muitas idas e vindas, o retomei por duas vezes.

Hoje estou mais consciente do que é um blog e os problemas que eles podem nos causar. Ainda não pretendo viver dele (afinal, para isso o blog deveria ter leitores, o que não tem), considero como uma brincadeira, uma forma de consolidar meus pensamentos, minhas idéias.

Outra promessa era de voltar a estudar. Até tentei, fiz inscrição no vestibular, estudei, mas no dia eu estava em São Paulo, participando do 1° StartupCamp Brazil (caí de pára-quedas lá mesmo). Achei que o vestibular fosse no dia seguinte. Já era.

Promessa número 3: trocar de emprego. Essa eu cumpri. Depois de 2 anos e pouco na empresa, a coisa foi ficando complicada. Eu já sabia tudo dela mas não tinha expectativa de crescimento. O jeito era caçar o meu rumo, como dizem os mais velhos por aqui. Em outubro eu saí de lá e novembro já estava de emprego novo, um dos motivos para eu estar em SP e perder o vestibular. Ainda não comecei a colher os frutos, vou ter que ter muita paciência.

Promessa número 4: academia. Essa não teve jeito mesmo. Sem ter quem olhar minha filha à noite, o tempo ficou curto. Mas este ano eu renovo. Já que não vai ter faculdade mesmo, que eu consiga persistir nos exercícios físicos.

Promessa número 5: ler um livro por mês. Não cheguei nem perto. Este ano vou fazer diferente, vou tentar ler pelo menos a metade. Se conseguir mais, ótimo. Pelo menos não vai ficar a frustração de não ter cumprido.

Além das promessas citadas, tem aquelas que fazemos sempre, trabalhar muito para ganhar dinheiro, fazer regime (para as mulheres, claro), etc. Nada disso eu cumpri, pelo menos consciente disso. Mas essas são as menos importantes.

Agora é hora de renovar as promessas: para 2008 quero trabalhar muito e começar a construir minha casa (que ainda não tem nem a planta, mas tem endereço), fazer academia, me cuidar mais, ser mais vaidosa, visitar com mais freqüência os parentes. E a maior de todas as promessas: conquistar meia dúzia de leitores para este modesto blog, que tenta ser um pouco diferente dos tantos outros que existem.

Feliz 2008 a todos. Muito sucesso e paz!