Preconceito x hipocrisia

Obaaa! Até que enfim começou a ser exibido meu programa favorito!

Hum… acho que tem algo errado na frase acima. Primeiro que quase não assisto TV, além das séries que acompanho, claro. Mas as séries passam na TV paga, coisa que eu não tenho. Quem dirá então ter um programa favorito. Já consegui explicar que foi um sarcasmo, né? Então vamos ao que interessa.

Esta semana começou o BBB11. Está longe de ser o meu programa favorito, muito pelo contrário. Mas não quer dizer que fico alienada e não acompanho os assuntos relacionados, afinal o que mais tem é gente para falar de BBB, seja para criticar a aparência dos concorrentes, para falar mal de qualquer coisa que aconteça ou ainda para declarar sua torcida. Eu prefiro não me encaixar em nenhuma das opções citadas acima.

O circo A casa é montada e os palhaços participantes são superexpostos para concorrer ao milhão e meio que o “pograma” oferece. Eu não vou ganhar um centavo desse milhão mesmo, prefiro outro tipo de milhão, aquele com espiga e de preferência bem cozido, como todo mineiro. Mas a palhaçada exposição começa muito antes, com aquelas chamadas toscas que são gravadas, onde todos dizem que são capazes de “tudo” para conseguir vencer. Agora vai agir sem escrúpulos lá dentro pra ver se não te tiram logo de cara…

Para completar todos os dias tem uma enxurrada de conversas sem sentido e uma sucessão de declarações falsas que chegam a enjoar. Como todo programa sensacionalista, o BBB tem sempre um personagem polêmico para tentar levantar a audiência. Esse ano não é diferente e lá está a Ariadna para provar isso. O problema é que a Globo é caxias demais para explorar esse sensacionalismo tanto quanto muita gente gostaria. Bom para nós? Nem tanto.

A edição feita pela emissora, tentando transformar um quotidiano em drama, é típica de novela mexicana. Sem contar que jogam com as conversas do jeito que ela bem quer. Mas novamente estou fugindo do meu foco.

Já foi formado o primeiro paredão e lá está Ariadna, a transexual do programa. Porque ela foi escolhida eu não sei, não tive tempo nem paciência de ler por aí os possíveis motivos. Mas eu acredito piamente que ela sai do programa mal tendo entrado. Tudo bem, alguém tem que ser sacrificado, mas é forte as chances dela sair. Porque o Brasil é um país preconceituoso, sempre foi e sempre será. Até aí ainda vai… os Estados Unidos também são. A grande diferença entre nós, tupiniquins, e os sobrinhos do Tio Sam é que que eles assumem que são preconceituosos, não vivem dizendo por aí que são uma farsa.

Somos preconceituosos e racistas, faz parte do ser humano negar aquilo que não é comum no seu meio. Mais difícil ainda é aceitar incondicionalmente alguém fora dos padrões. Mas não são só os humanos que são assim, algumas espécies de animais chegam a matar seus filhotes que nascem com algum tipo de deficiência, como é o caso dos hamsters. Os pássaros costumam abandonar os filhotes subnutridos em seus ninhos, ficando à própria sorte.

Mas novamente temos uma diferença. Humanos pensam (tá bom, alguns nem tanto). Somos capazes de avaliar a melhor decisão, somos racionais. Mas a natureza às vezes fala mais alto, mesmo que as pessoas neguem. Soma-se ainda as leis folkways e mores presentes em nosso dia-a-dia. São milhares de ano tentando estabelecer uma sociedade, não será simples fazer com que as pessoas aceitem sem questionar os “novos” padrões.

Enfim, é esperar pelas próximas ediçõe e novos assuntos a serem comentados por nós aqui fora.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s