Amor de mineiro

Ocê é o colírio du meu ôiu
É o chicrete garrado na minha carça dins
É a mairionese du meu pão
É o cisco nu meu ôiu
O rechei du meu biscoito
A masstumate du meu macarrão
Nossinhora! Gosdimais da conta docê, sô!
Ocê é tamém:
O videperfume da minha pintiadêra
O dentifriço da minha iscovdidente
Óiprocevê,quem tem ocê, tem um tisôru!
Ieu guárdesse tisouro, com todu carinho
Du lado isquerdupeito!
AMO ocê, uai!

Fonte: Publicado no Facebook por David Maia

Procura-se um amigo

(Vinícius de Moraes)

Não precisa ser homem, basta ser humano, basta ter sentimentos, basta ter coração. Precisa saber falar e calar, sobretudo saber ouvir. Tem que gostar de poesia, de madrugada, de pássaro, de sol, da lua, do canto, dos ventos e das canções da brisa. Deve ter amor, um grande amor por alguém, ou então sentir falta de não ter esse amor.. Deve amar o próximo e respeitar a dor que os passantes levam consigo. Deve guardar segredo sem se sacrificar.

Não é preciso que seja de primeira mão, nem é imprescindível que seja de segunda mão. Pode já ter sido enganado, pois todos os amigos são enganados. Não é preciso que seja puro, nem que seja todo impuro, mas não deve ser vulgar. Deve ter um ideal e medo de perdê-lo e, no caso de assim não ser, deve sentir o grande vácuo que isso deixa. Tem que ter ressonâncias humanas, seu principal objetivo deve ser o de amigo. Deve sentir pena das pessoa tristes e compreender o imenso vazio dos solitários. Deve gostar de crianças e lastimar as que não puderam nascer.

Procura-se um amigo para gostar dos mesmos gostos, que se comova, quando chamado de amigo. Que saiba conversar de coisas simples, de orvalhos, de grandes chuvas e das recordações de infância. Precisa-se de um amigo para não se enlouquecer, para contar o que se viu de belo e triste durante o dia, dos anseios e das realizações, dos sonhos e da realidade. Deve gostar de ruas desertas, de poças de água e de caminhos molhados, de beira de estrada, de mato depois da chuva, de se deitar no capim.

Precisa-se de um amigo que diga que vale a pena viver, não porque a vida é bela, mas porque já se tem um amigo. Precisa-se de um amigo para se parar de chorar. Para não se viver debruçado no passado em busca de memórias perdidas. Que nos bata nos ombros sorrindo ou chorando, mas que nos chame de amigo, para ter-se a consciência de que ainda se vive.

Ontem, dia 21 de Julho, foi dia do amigo. Este é um dos textos mais bonitos que conheço sobre amizade e, portanto, não poderia deixar de compartilhar.

Dedico este texto aos meus primos Selma, Suely, Nilton, Ronaldo, Sônia e Cíntia, e ao meu querido tio Jairo que, independente de serem parentes, são, acima de tudo, grandes amigos. Que a vida destas pessoas seja repleta de bons momentos e que a tristeza sirva como incentivo para o fortalecimento da fé que possuem.

Feliz dia do amigo a eles, feliz dia do amigo a todos os meus amigos. Feliz qualquer dia a todos vocês!

Piada mineira: antônimo

– Ô, Zé! Vâmu brincá di antônimo?
– O que c’ocê falô???
– Brincá di antônimo, sô! Qué dizê, uma coisa contráia da ôtra!
Purixemplu: arto e baxo, forte e fraco…
– Ah, intindi! Intão, vâmu brincá!
– O que vai valê?
– Uma cerveja… Eu cumeço, tá?
Começaram a brincadeira:
– Gordo?
– Magro!
– Hômi?
– Muié!
– Preto?
– Branco!
– Verde?
– Verde? Nada disso! Verde é cor, num tem antônimo, não!
– Craro que tem!
– Intão ixprica, sô!
– Maduro!
– Ai, caráio! Pirdi a aposta! Vâmu di novo, valendu ôtra cerveja? Mas
dessa veiz ieu cuméçu!
– Pódi cumeçá!
– Saúde?
– Duença!
– Moiádo?
– Seco!
– Agora ocê vai sifudê, sô fidumaégua! Qué vê só?
– Fumo?
– Não, não! Peraí, peraí… fumo num tem antônimo!!!
– Craro qui tem, uai!
– Intão, diz aí, qualé o antônimo de fumo?
– Vortemo!

Fonte: Recebido por email de Pâmela Carvalho.

O papai apareceu

Por Sofia.

Um lindo dia de sol, Vitória acordou com uma vontade enorme de brincar com seu pai.
Mas ela acordou as 09:30 da manhã, e seu pai saiu as 07:00 da manhã.
Sua mãe também acordou com ela, e não sabia onde ele estava.
Seu pai não escreveu bilhetes avisando que ia sair da empresa as 23:00 da noite.
Elas foram até a sorveteria Marimbondo ver se ele estava lá.
De noite sua mãe falou:
– Já são 22:59 da noite ele já vai chegar.
Deu 60 segundos e ele entrou.
Sua filha enquanto corria dizia:
– O papai chegou.
E eles viveram tão felizes que vai ter até materia.
A antes que eu me esqueça:
– Fim

Este foi um texto escrito pela minha princesinha, um presente para mim. A matéria a que ela se refere são algumas questões para interpretação do texto elaboradas por ela. Abaixo uma foto do trabalho adorável:

Estou tão orgulhosa e muito feliz com o presente!

Desativar beep do alto-falante interno no Windows

Sabe aquele barulho irritante que o Windows faz quando emite uma mensagem de alerta ao usuário? Aquele beep emitido pelo alto-falante interno do PC? É de tirar qualquer um do sério. Principalmente porque ele geralmente acontece quando a gente menos espera.

Quem é programador sabe do sofrimento que é ouvir sequências desses beeps. Se você trabalha com pessoas ao redor, elas provavelmente vão gostar menos ainda.

Pesquisando um pouco na net, depois de sofrer semanas no trabalho com o barulho, encontrei esta dica: no Windows XP, clique com o botão direito sobre “Meu Computador” e em Propriedades. Na guia “Hardware”, selecione o botão “Gerenciador de dispositivos”.

Na tela que abrir, clique em “Exibir > Mostrar dispositivos ocultos”. Em “Drivers que não são plug and play”, localize a opção “Beep”, dê um clique com o botão direito do mouse e selecione “Desativar”.

Reinicie o computador e seja feliz!

Fonte: Explorando e aprendendo