Campanha pela liberação geral dos feeds

Você conhece uma pessoa desorganizada? Se você não me conhece pessoalmente, tudo bem, também vale. Eu sou completamente desorganizada. Para piorar: sou esquecida.

Justificando: a quantidade de informações que temos que absorver hoje é tanta que não adianta apelar para simpatias, mandingas, laço no dedo e o que mais houver por aí, a memória é volátil.

A tecnologia serve para ajudar, certo? As ferramentas de busca na Internet são a solução da lavoura de todo programador/estudante/[inclua sua categoria aqui]. Hoje está tudo à mão, basta achar a combinação certa de palavras e em poucos cliques tem-se a solução para os seus problemas (quiçá os financeiros). Não precisamos mais de uma enciclopédia impressa, a não ser que você tenha uma certa admiração por aquelas milhares de páginas que uma Barsa possui.

Mas nem tudo é perfeito. A Internet pode até ajudar a solucionar seus problemas, mas pode trazer muitas dores de cabeça. A dificuldade que algumas pessoas possuem para separar o joio do trigo (diga-se informações falsas das verdadeiras) transforma a rede mundial de computadores em um ambiente atrativo para uma boa pescaria de otários.

Então, como fazer para não cair na rede do mal ser enganado? Infelizmente só o bom senso e a cautela.

A forma com que procuro informações na Internet e classifico-as é muito variada. Se é um assunto que conheço, sou mais criteriosa e sei logo de cara em quem confiar. Nesse caso, posso contar nos dedos os sites e blogs que acompanho. No caso de novos assuntos, conteúdos que acho interessante mas que não são da minha alçada, costumo adicioná-los aos favoritos ou aos meus feeds (o RSS é uma ferramenta poderosíssima no quesito organização). Se você não sabe o que é RSS, dê uma olhada aqui.Uso o Google Reader para ler os blogs que acho interessante. Se vejo que o autor escreve bem e domina o conteúdo, assino e vou monitorando. O problema o RSS é que algumas pessoas insistem em disponibilizar apenas uma parte do coteúdo do post, como se fosse um sumário. Coisa irritante, diga-se de passagem, pois obriga o leitor a visitar o blog para terminar de ler.

Uma campanha feita em 2006 pelo blog Arcanjo.org incentiva os blogueiros a liberarem seu conteúdo completo, pois, como dito pelo Cardoso, o leitor que assina seu conteúdo via RSS é um leitor VIP. Os maiores blogs que eu conheço adotam esta política e exploram a publicidade de uma forma diferente, também via feeds.

Portanto, fica aqui um apelo para os blogueiros: liberem de uma vez o feed completo, pois certamente vou me descadastrar em poucos dias e esquecer o seu blog para sempre. Tenho certeza que muitos outros pensam da mesma maneira.

Se você tem blog e não sabe se seu feed é disponibilizado completo, dê uma conferida no painel de configuração. Os melhores serviços de hospedagem gratuitos possuem esta opção.

Anúncios