Resenha: As Esganadas

Ultimamente ando me interessando mais por best sellers, apesar da preferência pelos clássicos literários.

Graças às promoções do Submarino, tenho comprado livros bem baratinhos. Um deles foi “As Esganadas“, do Jô Soares.

As Esganadas

A trama nos leva ao Rio de Janeiro de 1938. Uma série de assassinatos, digamos, nada comuns, intrigam a polícia carioca. Esta, por sua vez, conta com a ajuda de um ex-policial português que, curiosamente, consegue identificar detalhes das cenas do crime.

Recheado de personagens extravagantes e nada comuns, o livro é para ser engraçado e chega a cumprir este papel. Mas uma coisa me incomodou profundamente.

Quem acompanha a carreira do Jô é capaz de identificar de cara seus traços na escrita. Como em suas entrevistas, ele insiste em se autopromover e evocar um passado que já não existe mais. O livro tem muito do saudosismo que o próprio Jô guarda dentro de si. Além, é claro, do uso de termos mais elaborados, que não chegam a deixar a história maçante, mas vêm a aumentar a certeza de que o autor gosta de todos os holofotes virados para ele.

Não consegui identificar muitos clichês na história, ponto positivo. Talvez por conta disso, o excesso de extravagâncias acabou me cansando. O uso de expressões em outros idiomas também é constante, outra característica do poliglota Jô, algumas, acredito, até desnecessárias. Me senti uma idiota em certas ocasiões, tendo que ser lembrada de que fulano era de tal país. Chato.

Uma obra é uma obra. O autor é outra coisa. Pode ser pela maciça exposição do Jô Soares à mídia que talvez eu consiga identificá-lo tão claramente no decorrer da leitura, ao ponto de não conseguir separar obra e autor. Confesso que a experiência não foi muito agradável, a tal ponto de repensar a possibilidade de ler outros livros escritos por ele.

É um livro que não fez diferença na minha vida.

Minha avaliação: 3

Uma paixão + uma promoção

Uma das minhas paixões declaradas são os livros. Nada melhor do que uma boa leitura para relaxar e trazer paz de espírito. Bons autores e boas histórias não faltam. Este é justamente o meu problema: quero todos os livros, todos os autores, tudo. Quero uma biblioteca imensa, quero ler todos e principalmente: tê-los.

Apesar de ser o meu sonho ter muitos livros e principalmente lê-los, eu sou um tanto quanto desorganizada. Não sei para quem empresto, onde deixo, nem sei exatamente quantos exemplares tenho atualmente.

No primeiro ano da faculdade eu fiz um projetinho para apresentação no final do curso de desenvolvimento de software, cujo objetivo era catalogar e organizar um pequeno acervo. Mas devido a limitações da disciplina, nem mesmo banco de dados era permitido usar, tendo que usar apenas arquivos. De cara eu desanimei com a ideia, fiz apenas para constar. O projeto foi aproveitado por uma amiga no ano seguinte, mas logo em seguida esquecido.

No segundo ano eu continuava com a ideia de desenvolver uma solução para a minha bagunça, mesmo que “caseira”, uma forma de estudar, mas passou também, acabamos fazendo outro projeto para apresentação no final do ano e o meu objetivo deixado de lado. Este ano, com tamanha falta de tempo e com uma proposta mais comercial do que um simples controle individual de livros, nem mesmo pensei em mexer com isso.

Esta semana me apresentaram uma rede social, cujo objetivo é a divulgação de livros lidos, sendo lidos, desejados, sua avaliação e resenhas. Fantástico! Agora tenho uma ferramenta online para organizar e catalogar todos os meus livros. Isso tudo “di gratis”, sem o menor esforço.

A rede social chama-se Skoob, “O encontro dos livros com a web”. A resposta para a pergunta “O que é Skoob”, segundo os próprios desenvolvedores é:

O skoob foi construído ao som de “Good People”, Jack Johnson, e pretende ser a resposta à pergunta feita na música: “Where’d all the good people go?”, “Para onde todas as pessoas boas foram?”. Aqui é o lugar para onde as pessoas boas foram e onde elas se encontram.

A ferramenta é nacional, totalmente em português e está em versão beta, sendo possível já identificar muitos bugs, como por exemplo, ao logar-se e navegar pelos diversos livros, usuários e listas de discussões, caso deseje voltar à página principal apenas clicando no logotipo do site, ele irá solicitar novo login. Algumas outras opções, como a adição de amigos ou busca por livros para adicionar à “Estante” também possuem problemas de navegabilidade. Dá trabalho, mas é divertido.

Como forma de divulgação do serviço, o site está realizando uma promoção: quem se cadastrar até o dia 17 de setembro pode concorrer a um iPad ou a 100 livros. E cada pessoa que se cadastrar utilizando o seu link de divulgação lhe dá um cupom a mais para concorrer, então cadastre-se lá acessando por aqui para me ajudar ou clicando no banner logo abaixo… =P

Também há outro banner ao lado direito da página.

Curti muito a ideia, tanto que estou há dois dias empenhada em lembrar de todos os livros que li, que tenho e inseri-los no meu perfil.